Deputado Wellington denuncia à PGJ supostas irregularidades no concurso da PM

Na manhã desta quinta-feira (18), o deputado estadual progressista Wellington do Curso fundamentou com novas provas a denúncia quanto às supostas irregularidades no concurso da Polícia Militar do Maranhão. A denúncia foi feita à Procuradoria Geral de Justiça, sendo direcionada ao procurador Luiz Gonzaga Martins Coelho, para adotar as devidas providências.
No documento entregue, o deputado Wellington faz constar cinco itens que comprovam as irregularidades ditas, fundamentando-se em boletins de ocorrência e em outros meios de prova fornecidos pelos candidatos. “Ouvindo os candidatos e analisando a questão, entre inúmeras irregularidades, pode-se mencionar 5 pontos, devidamente comprovados. O primeiro deles é o descumprimento do edital, já que realizaram provas no Piauí sem qualquer previsão para isso ou retificação; o segundo é a fiscalização deficitária, já que candidatos fizeram a prova portando até mesmo celular”, disse.
“Constatou-se também a despadronização dos horários, conforme comprovado nos boletins de ocorrência, tem candidato que começou a prova até 1 hora após o horário oficial. Outro ponto é a possibilidade de fraude: iniciaram as investigações, mas até agora o inquérito não deu ‘informação’ alguma. E, por último, a questão do gabarito oficial que, até hoje, sequer foi divulgado. Apenas divulgaram o gabarito preliminar e prazo para recursos”, pontou Wellington.
O parlamentar ainda reforçou que aguarda um posicionamento da Procuradoria Geral. “É muito fácil dizer que A ou B foi aprovado, quando não se tem gabarito oficial e, muito menos, o julgamento dos recursos. Esperamos que o órgão competente adote as devidas providências quanto a isso, levando como exemplo concursos de outros estados que, com bem menos irregularidades, foram anulados, a exemplo do concurso da Polícia Militar do Piauí realizado em abril e anulado maio de 2017”, acrescentou.
Sobre a hipótese de uma fraude, Wellington disse que dois homens foram detidos por estarem com o gabarito da prova da PM, na cidade de Caxias, e que até o presente momento, as investigações ainda não esclareceram sobre mais pessoas que fraudaram o concurso; quem enviou as respostas e outros possíveis agentes que também receberam as resoluções, tendo em vista a fragilidade na segurança do transporte, manuseio e aplicação das provas.

Assecom/ Dep. Wellington do Curso

Nenhum Comentário

  1. Isso deputado faz alguma coisa porque se for esperar por esse governador os concurseiro ta e lascado tem e que anular mesmo esse concurso foi uma fraude.

  2. Gabriel Henrique cotta Palhares de Miranda

    De uma olhada no item 8.15.14 do edital pmma

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo está protegido !!