Maura Jorge e o perigo de uma campanha movida pelo ódio

Pré-candidata ao Governo do Estado como uma das laranjas do grupo Sarney, a ex-prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge, parece que já escolheu sua tática para a disputa estadual do ano que vem: o ódio. Desde o desentendimento que teve com o governador Flávio Dino quando ainda era prefeita, Maura Jorge tem espalhado aos quatro cantos do estado que sua entrada na disputa do Executivo Estadual se deu para fazer vingança contra Dino.
Neste final de semana, a protegida de Aluisio Mendes, fiel escudeiro de José Sarney, aprontou mais uma das suas para tentar macular a imagem do governador. Durante a noite deste sábado, em Imperatriz, Flávio Dino participou da Marcha Para Jesus, evento que contou com milhares de pessoas na Beira-Rio. Ele chegou no meio da multidão sendo cumprimentado e recebendo palavras de apoio pelo pacote de ações que acabara de inaugurar como parte do aniversário de 165 anos da cidade.
O governador teve um momento no palco junto com o seu secretariado, onde foi bastante festejado, recebendo orações dos pastores que organizavam o evento e aplausos do povo que acompanhava a Marcha em reconhecimento ao trabalho que vem sendo feito pelo Governo do Estado em Imperatriz.
Movida pelo ódio mesmo em se tratando de um evento evangélico, Maura Jorge, que também marcou presença no local, aproveitou para se promover durante a Marcha e espalhar que o governador Flávio Dino foi vaiado durante sua participação no evento.
O perigo de uma campanha movida pela vingança e pelo ódio é que está provado que as pessoas são capazes de tudo por alimentar esses que são os piores sentimentos que um ser humano pode ter.
Esse é o perigoso tom que Maura Jorge sempre usou em Lago da Pedra e usará na campanha estadual. Ela já provou que calúnias e invencionices farão parte do cardápio da vingança que ela espera obter durante a campanha contra Flávio Dino.
Confira a verdade dos fatos e como foi a participação do governador Flávio Dino durante a Marcha Para Jesus em Imperatriz:

Fonte: John Cutrim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *