Vândalos ateiam fogo em ponte do riacho São José, em Codó

Uma ponte de madeira foi incendiada por vândalos na noite deste sábado (19), no bairro Santo Antônio, em Codó (MA). A ponte, que fica sobre o riacho São José, liga a sede a vários povoados na zona rural do município. Assista ao vídeo no final da matéria

O incêndio foi controlado ainda de madrugada, mas os responsáveis pelo crime ainda não foram identificados.

Não há motivos aparentes para a ação dos vândalos, pois a estrutura de madeira vinha sendo usada normalmente pelos moradores da região. Com a ponte incendiada, carros não estão conseguindo passar pelo local.

O caso será investigado pela 4° Delegacia Regional de Polícia Civil de Codó.

3 Comentários

  1. ISTO AÍ É BONITO, NÃO É CRÁPULA EDIL ?
    ISTO É COISA DE GENTE A MANDO DA QUADRILHA
    VAI SER ASSIM ATÉ A DERROTA DELES E IREM EMBORA DE CODÓ..
    Alí foi feito um bom trabalho com a suspensão da lavagem de carro e a ponte, mesm de madeira estava com sua estrutura normal passei por lá e não VÍ nada de anormal.. Já basta as barragens que são proibidas e o IBAMA não toma nenhuma atitude.
    Não sei se corre $$$$$$$$, não tenho provas.
    Como diz o velho ditado ” O POVO AUMENTA MAS NÃO INVENTA ”
    Vai ser está MOLECAGEM durante está CAMPANHA política que, infelizmente vamos ter muitos confrontos e baixarias, o que é tipo e CONHECIDO por alguns adeptos do QUADRILHÃO.

  2. fernando

    Não compactuo com vandalismo ou qualquer tipo de atitude que gere prejuízos ao patrimônio público.

    VANDALISMO não é protesto, é CRIME (art. 163 CP).

    Art. 163 – Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia:

    Pena – detenção, de um a seis meses, ou multa.

    Dano qualificado

    Parágrafo único – Se o crime é cometido:

    I – com violência à pessoa ou grave ameaça;

    II – com emprego de substância inflamável ou explosiva, se o fato não constitui crime mais grave

    III – contra o patrimônio da União, de Estado ou de Município;

    III – contra o patrimônio da União, Estado, Município, empresa concessionária de serviços públicos ou sociedade de economia mista; (Redação dada pela Lei nº 5.346, de 3.11.1967)

    IV – por motivo egoístico ou com prejuízo considerável para a vítima:

    Pena – detenção, de seis meses a três anos, e multa, além da pena correspondente à violência.

    Os autores e/ou mandantes (caso existam) devem ser responsabilizados.

    E para finalizar, já acionei o MPMA e MPF sobre a licitação de R$ 11 milhões de reais em favor da IMPACTO CALÇADOS.

    Obrigado, de nada!

  3. Só pra de ser a mando da oposição. É só pegar os ateadores e eles abrirão o bico.

Deixe uma resposta para O Edil do Povo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!