Família denuncia que morte de idosa no HGM só foi avisada 7 horas depois

A morte de uma idosa vítima de covid-19 trouxe dor e revolta para a família. Além do sofrimento pela perda, o neto relata que funcionários do Hospital Geral Municipal (HGM), em Codó, só avisaram a família cerca de sete horas depois.

A idosa estava internada há 20 dias no hospital e morreu na manhã desta quarta-feira (24) na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), às 9h15. No entanto, a família alega que somente foi avisada às 16h. A demora deixou todos revoltados.

“Boa tarde Marco Silva, registro aqui minha revolta, minha indignação, minha insatisfação para com o modo de tratamento no HGM, infelizmente minha avó veio a óbito ontem às 9:15h, e apesar de terem o contato de 3 familiares e se comprometerem a ligar a qualquer situação, não comunicaram a família, só viemos saber no horário da visita depois das 16:00h. É uma verdadeira falta de respeito com a família Marco”, relatou o neto da idosa.

Perguntado sobre as causas da morte, o denunciante afirma que o hospital informou que a idosa teria sido vítima da covid-19. Os familiares afirmam que apenas o teste feito no dia da morte teria dado positivo. Todos os outros testes feitos anteriormente teriam dado negativo. A suspeita deles é que a idosa teria contraído a doença dentro do HGM.

“Sobre o laudo apresentaram Covid19, porém a 20 dias ela estava internada com pneumonia forte “caso real” e todos os testes deram negativo desde o dia da internação, o único que testou positivo que eles apontam foi de aproximadamente 2h antes de levar pra UTI, e se ela contraiu o vírus foi lá dentro e por funcionários, e o que faz desacreditar que foi Covid, é que 4 pessoas tiveram contato direto com ela e não fizeram em nenhum momento cadastro pra monitoramento”, relatou.

Procurado por nossa equipe de reportagem, o diretor do HGM, Emílio Matos, prometeu que nos daria uma resposta sobre o caso após o almoço, mas isso não aconteceu até o fechamento desta matéria.

2 Comentários

  1. Informem sobre o fato e abra o processo de Sindicância e apuração formal dos fatos

Deixe uma resposta para epígrafo Enéas Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *