Comunidade patrocina casamento comunitário de apenados do presídio de Codó

Em Codó, comarca a 290km da capital, a união de autoridades judiciárias, municipais e pessoas da comunidade resultou na concretização do sonho de quatro casais, que se uniram em uma cerimônia especial de casamento Comunitário realizada na Unidade Prisional de Ressocialização (UPR), onde os noivos cumprem pena.

Os apenados Adailson Silva, Evanildo Araújo, Carlos Garrido e Tiago Braga se uniram às jovens Laiane Rocha, Andreia Araújo, Carla Garrido e Elicelma Lira, respectivamente, em solenidade com cerimonial, música e decoração patrocinadas com o apoio de empresas e profissionais da cidade. 

Os recuperandos da UPR cumprem penas em regime fechado e semi-aberto, estudam e participam de oficinas de artesanato e leitura para remissão de pena e foram presenteados, pelo seu bom comportamento e conduta carcerária, com uma celebração especial, recebendo de presente da comunidade tudo o que precisavam para o casamento e não tinham condições de bancar.

O casamento  foi presidido pelo juiz Carlos Eduardo de Arruda Mont’alverne, titular da 2ª Vara de Codó, responsável pela execução penal, que buscou as parcerias institucionais para a celebração. Participaram da solenidade a promotora de Justiça Linda Luz Carvalho, o defensor público Thyago Rodrigues Batista e a juíza de paz da comarca, Suelen Santos França.

Segundo o juiz da 2ª Vara, o casamento civil cumpre os direitos das pessoas presas, assegurados pela Constituição Federal e pela Lei de Execução penal (nº 7.210/1984). Os presos, por sua vez, preencheram os requisitos individuais de boa conduta, exercem atividades laborais e terapêuticas e têm controlado a agressividade e a impulsividade, demonstrando preparo para o retorno à sociedade.

Mesmo privado da liberdade, o preso deve manter seus direitos de cidadão. Sabemos, ainda, que a defesa da família é um dos pilares necessários, de fato, para a ressocialização do réu”, ressaltou o magistrado.

DOAÇÕES – O salão da UPR foi o palco da celebração e recebeu ornamentação especial para a cerimônia. A Pedido do juiz, os lojistas doaram o necessário para a realização do sonho dos casais: decoração, vestidos de noiva e ternos (“Espaço Noivas”), maquiagem, manicure e cabelos (“Instituto de Beleza Kátia”), buquês (“Sônia Variedades”) e docinhos (“Master Lanches”).

O promotor, o defensor e o advogado presentearam os casais com o bolo nupcial e os bem-casados. A Prefeitura Municipal doou os salgadinhos e refrigerantes. O Coronel Jurandi, da Polícia Militar, forneceu o suporte de segurança e a Primeira Igreja Batista realizou o cerimonial e a palavra bíblica. Os proclamas tramitaram no Cartório do 2º Ofício de Codó.

Os diretores da UPR colaboraram na organização do evento e a capelã do presídio, Pastora Regina, fez uma breve apresentação musical. As fotos foram produzidas pelo fotógrafo Clemente Filho, sem cobrar pelo serviço.

Ascom

3 Comentários

  1. Realmente o crime compensa!

  2. Depois dizem que o crime não compensa

  3. São por essas e outras que temos que mudar as leis nesse país! Preso é preso e acabou!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.