Não é de hoje que o Blog do Marco Silva recebe informações de que funcionários que prestam serviços para Irene Neres, esposa do pré-candidato a prefeito Zé Francisco, sofrem assédio moral no trabalho. No entanto, uma denúncia recebida na manhã desta segunda-feira (07), revela mais um fato triste ocorrido na clínica de propriedade do médico codoense e que é administrada por sua companheira.

Uma mulher identificada como Natália Deny de Sousa Cantanhede, de 30 anos, relatou ao blog que estava na clínica do médico Zé Francisco, na última quinta-feira (03), quando presenciou Irene Neres, aos gritos, mandando uma de suas funcionárias calar a boca. A cena constrangedora teria sido presenciada por várias pessoas que estavam no local.

Veja abaixo a íntegra do relato.

Bom dia!

Esposa do pré candidato Dr José Francisco a mesma que quer ser primeira dama, tem sido motivo de muita insatisfação para aqueles que gostam do doutor, mas por causa da arrogância e prepotência não irá votar nele.

Presenciei na quinta-feira desta semana passada, com a clínica do Dr. lotada, a esposa do mesmo mandando funcionária calar a boca (aos gritos), dizendo: cala a boca, você está na minha clínica, muitas pessoas estavam presentes e foi constrangedor para a simples funcionária. Aí eu te pergunto Marcos Silva, você que é além de um grande blogueiro, cidadão, eleitor, acredita que esta preparada para lhe dar com o povo? Saberá cuidar e respeitar a população que vier a lhe procurar?

Próximo as eleições Dr. José Francisco perderá muito se as atitudes de sua esposa (que quer ser primeira dama,não mudar).

Esposa de Zé Francisco

Assédio moral

O termo assédio moral é utilizado para descrever situações extremas de violência psicológica no trabalho, de natureza processual, pessoalizada, mal-intencionada e agressiva.

Encontra-se em trâmite, no Senado Federal, o projeto de lei nº 4742/01, que pretende introduzir o artigo 146-A no Código Penal Brasileiro, dispondo sobre o crime de assédio moral no trabalho.

Atualmente a lei prevê punição apenas para casos de assédio sexual, em que um gestor se vale de sua posição (do poder) para obter favores sexuais de seus subordinados.

Já o assédio moral, que afeta a saúde de cerca de 20% dos trabalhadores, segundo especialistas, é classificado apenas como injúria e difamação pela Justiça do Trabalho. As punições vão de indenização ao trabalhador ou trabalhadora ou dispensa por justa causa do assediador.