A correlação de forças e os bastidores da política em Codó

Por Augusto Serra 

É bom quando se debate política, mesmo com inevitáveis rasgos de paixão e alguma dose de irracionalidade, debater politica é preciso, sempre, para que as ideias se desenvolvam e para que se forje consciência crítica.

Ainda falta um ano e sete meses para as eleições municipais e o debate já corre solto nos bastidores da politica codoense.  É visível a movimentação daqueles que pretendem serem candidatos. Só que existe uma coisa na política chamada correlação de forças, e quem não compreende essa correlação corre um seriíssimo risco de ficar pelo caminho.

A OPOSIÇÃO

De olho na prefeitura, a oposição a exemplo de eleições anteriores se articula e se mobiliza em busca de unidade para a disputa eleitoral, inclusive já propagou a existência de um “grupão” composto pelas as principais forças politicas do município que estão fora do governo, nomes já consagrados nas urnas como o dos ex-prefeitos Ricardo Archer e Biné Figueiredo(PSL), somando-se às novas lideranças como os ex-vereadores Chiquinho do SAAE(PSDB), Pedro Belo(PCdoB) e do Médico Zé Francisco(PT) que é 1º suplente de Deputado Federal, além de outros lideranças como o advogado Francisco Mendes(PPS) e o vereador presidente da câmara Expedito Carneiro(Democracia Cristã). No entanto, a quem diga que muitos destes estão na discussão apenas se valorizando para negociar uma candidatura de vice, negociar secretarias ou até mesmo viabilizar economicamente suas candidaturas para vereador. Se isto é verdade ou não, o tempo dirá. O certo é que, se o grupão vingar e se mantiver unido, torna-se uma força politica difícil de ser batida em Codó.

CORRENDO POR FORA

Ainda No campo da oposição tem também a candidatura do PSOL que é dada como certa, sob a liderança dos professores e sindicalistas Celso, Marcos e Rafael, e ainda a do ex-secretário de estado do meio ambiente Marcelo Coelho(PSB) que vem articulando no município a sua candidatura ao executivo municipal.

A SITUAÇÃO

Do outro lado, está o grupo politico da situação que está no poder desde 2009, liderado pelo ex-prefeito Zito Rolim(PDT), pelo atual prefeito Francisco Nagib(PDT) e pelo empresário Francisco Carlos Oliveira(MDB), que contam com o apoio da maioria dos vereadores, e pelo que tudo indica no atual senário, terão que usar todas as estratégias possíveis para não correr o risco perder as eleições em 2019, inclusive usar a força dos mandatos do prefeito Francisco Nagib e do Deputado Zito Rolim, que se apresentam como aliados com muito prestigio junto ao governo do estado.

Já circula nos bastidores da politica codoense que a dita correlação de forças já começou, com a troca de ocupantes de alguns cargos do governo do estado no município de Codó a pedido do Deputado Zito Rolim e do Prefeito Francisco Nagib(PDT). Corre também boatos de que o grupo politico do prefeito Nagib e Zito Rolim já estaria atuando para desarticular a oposição, fortalecendo o seu grupo politico para o próximo embate eleitoral. Há quem garanta que o prefeito já está providenciando uma reforma administrativa, que irá devolver ao município algumas secretarias estratégicas extintas no inicio da sua gestão, e até criando outras que entende ser necessárias, com isto poderá corrigir algumas falhas da gestão, acomodando aliados de grande potencial eleitoral que estão insatisfeitos por estarem sendo subutilizados e ou ignorados, podendo também trazer para o seu grupo politico, algumas lideranças da oposição para compor um governo de coalizão.

É importante lembrar que na politica é comum dividir e subtrair da base do adversário, e que ganha eleições aquele que  soma e multiplica votos na sua base, portanto, não é racional trocar seis por meia dúzia, nem tão pouco dar tratamento diferenciado a aliados.

O resultado das  eleições em 2020 dependerá da correlação de forças, ou seja, do cenário politico desenhado pelo poderio da articulação e da força politica de cada grupo, envolvendo a capacidade de persuasão de cada um, e principalmente, do estado de espírito dos eleitores, que baseados em tendências podem levar a maioria a optar por um dos candidatos. Portanto, para ganhar as eleições haverá sempre a possibilidade de atrair, neutralizar, enfraquecer e isolar  adversários.

Boa sorte aos pretensos  candidatos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *